Mostrando postagens com marcador lixo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador lixo. Mostrar todas as postagens

4 de janeiro de 2016

EU, TU, ELES E NOSSA SEGURANÇA




Adriana Teixeira Simoni

Em tempos de reclamar e apontar o dedo a tudo que está errado, a dar sua opinião mesmo sem ter conhecimento profundo sobre o assunto. De se achar no  direito de se expressar (ofendendo) não importando a quem vai atingir. Vejo muita gente julgando uns e outros de corruptos, ladrões, bandidos, podres, sujos, incompetentes. Enfim, a lista é grande. Em tempos de doenças maldosas e até fatais como Dengue, chikungunya  e zika , não importa mais os adjetivos , nem tão pouco quem “DEVE” ter a responsabilidade. Se quisermos uma vida melhor é nosso dever colaborar imparcialmente. A segurança será para todos e não apenas para mim.

O assunto é, na verdade, o  LIXO. Nada tem a  ver com pronomes, mas sim, com comportamentos. Eu posso dizer que tenho, não tento, tenho, o melhor comportamento possível com meu lixo, e as vezes com de meus vizinhos também. Lógico, que nem tudo pode ser perfeito quando o poder público não atua como esperado; aí eu realmente tento fazer o melhor, nem sempre consigo. Mas jamais deixo de fazer, pois pode ficar pior.

Quando falamos na primeira pessoa, damos significado a nossas vontades, desejos e opiniões. É na pessoa do EU, que tudo pode tomar forma bem  distinta. Apontar nunca é para mim (“EU”), sempre para eles. Portanto, precisa partir de mim a coisa  bem feita para poder apontar o mal feito do outro.

Estamos em 2016, desfrutamos de liberdade de expressão, escrevemos com toda coragem do mundo tudo que pensamos; deixando opiniões “sábias” na expectativa de muitas curtidas de ibope, porém não temos opinião para colocar  a própria  mão na massa carregando nosso EU mais intimo para  FAZER algo sem anunciar ,fazer por comprometimento, fazer pela razão em si: Fazer para o  meu bem, para o bem do outro, para o bem de todos.
Caminhando pelos bairros nesses dias de festas e feriado  eu fiquei estarrecida com a quantidade de lixo mal acondicionado, lixo jogado pelos matos, praças  e descampados. Como podem as pessoas exigir A ou B de  C ou D se não são capazes de administrar o próprio lixo em dias em que a coleta não passará . E, pior, serem capazes de preocupados com o “sEU” lixo em casa fedendo, agem rapidamente e jogam-no num outro bairro, numa praça; não estando na frente da sua  casa é o que importa. Com essa atitude pensam só  e unicamente em seu próprio desconforto e nada, nada lhes lembra os infortúnios das doenças provocadas por essa irresponsabilidade com o lixo , nesse  seu ato.

As coletas de lixo de aparas de jardim não cumprem calendário e pessoas jogam toda quantidade de lixo nesses entulhos como potes e latas. Que em tempos de chuvas juntam água. Esses mesmos tipos de lixos, são jogados em descampados que por sua vez também viram criadouros de mosquitos  Aedes aegypti , e lá...ninguém vai coletar...serão criadouros eternos.

Cansa falar de mal  comportamento com o lixo. O que  se torna mais desanimador é que ninguém gosta de sujeira acumulada em sua  própria casa. Mas repara na  casa do vizinho, do amigo, repara na sujeira  da “CIDADE” . Agora eu lhes pergunto? Quem suja a cidade? Quem come enlatado, consome lâmpada fluorescente, toma refrigerante ou cerveja em latinha, ou em PET. Quem toma leite? Usa fralda descartável, troca de sofá? Não é a administração de uma cidade. São os moradores dessa cidade.

Festas é algo sempre requisitado pelo povo, adoram se divertir. Querem uma festa cheia de atrativos, querem segurança, conforto, etc. Depois de uma festa popular o que mais se encontra é lixo pelo chão. Isso é aceitável num povo tão cheio de “opiniões” ?   Há... mas faltam lixeiras... Até podem faltar... Mas você também pode levar seu lixo para sua  casa. A festa na praia, no campo, no parque era apenas o lugar para se divertir  não a lixeira.


Então, se a gente fizer o dever de casa para treinar, antes de distribuir “opinião”, apontar o dedo e julgar os OUTROS ; teremos mais coisas para elogiar do que reclamar   e  muito mais coisas para reivindicar.  Pense nisso!

2 de maio de 2015

PEQUENO RESÍDUO "ILÍCITO"



Adriana Teixeira Simoni

Na esfera de resíduos que contaminam o ambiente e que permanecem por décadas até serem desfeitos naturalmente, nos rodeiam uma infinidade de tamanhos, formatos e composições. Assim como sua origem e forma de descarte também bastante diversificada. Porém, não creio que haja uma forma de descarte mais irresponsável e cretina do que o habitual descarte feito consciente por pessoas em locais totalmente incorretos como nas vias públicas, terrenos baldios ou naquela estradinha de terra ali meio abandonada.



É totalmente reprimível o comportamento de certas pessoas com o seu lixo. O que faz parecer de forma lúdica que o mesmo está tão quente, lhe queimando as mãos que necessita ser descartado o mais rápido possível, não permitindo assim, tempo para racionalizar a atitude incivilizada. É inconcebível assistir ao seu lado outro motorista arremessar todo tipo de resíduo, grande ou pequeno, pela janela do veículo em movimento (Infração média de transito CTB, artigo 172) e não buzinar no intuito de chamar a atenção do incauto motorista. Reflexo em vão, pois esta sendo tão recorrente esse comportamento que parece estar aderido ao caráter emporcalhado de muitos.



Não existe mais desculpas para comportamentos assim, mesmo pessoas nascidas antes dos primeiros movimentos preservacionistas estão bastante empenhadas em darem sua contribuição ao ambiente; na reciclagem,na preservação do verde, na economia da água na disposição do lixo. Portanto, arremessar lixo pela janela do veículo ou jogar num canto abandonado da cidade já se torna algo a ser severamente repreendido.

O descarte irresponsável de resíduos, tem se destacado nos últimos anos como grande contribuinte aos problemas da saúde pública devido propiciar acúmulo de água limpa nos períodos de chuva, contribuindo assim, para a crescente disseminação do mosquito Aedes aegypti além de outros insetos nocivos a saúde . Fator causador de transtornos sérios nas pessoas não poupando ninguém, acarretando inclusive prejuízos econômicos ao afastar muita gente do trabalho.

Não bastasse toda quantidade de resíduos existentes e mal descartados no ambiente, a contemporaneidade trás modernos recipientes plásticos, comumente chamados de pinos pela polícia , todavia o nome verdadeiro do recipiente é “eppendorfs” utilizado atualmente também para depositar cocaína e facilitar o tráfico, transporte e consumo dessa droga ilícita. 

Esses pinos se tornaram o mais novo resíduo descartado aleatoriamente por pontos onde se concentram consumidores de drogas. É fácil encontrá-los descartados em guias, sarjetas e calçadas pela cidade. Próximos a floreiras, bueiros, em gramados de praças, na areia de parquinhos de crianças e onde mais se imaginar. Basta olhar para o chão e verá pinos vazios transparentes, azuis, verdes ou pretos descartados nem sempre só na calada da noite. 

Antigamente o dissabor de ambientalistas e pessoas preocupadas com o destino correto do lixo eram as bitucas de cigarro que ainda são um pequeno lixo abundante também causador de transtornos: emporcalham, poluem e enfeiam. Já o plástico desses pinos ou “eppeendorfs” permanecem por mais tempo poluindo o ambiente e como não são varridos ou coletados, com o crescente numero de pontos de consumo de drogas ilícitas, é possível encontrar em certos lugares montes desses pinos descartados.

Numa ação simples e civilizada é legal guardar os pequenos lixos como papel de bala, lacre de carta, bituca do cigarro , bilhetinho , palito de sorvete ou o que mais não lhe servir , inclusive o pino da droga ilícita para depositá-los numa lixeira. Será uma grande contribuição para o ambiente e para a comunidade. Vamos colaborar! Não há mais tempo para ignorar a responsabilidade com o nosso próprio lixo. Uma questão de educação!

Adriana Teixeira Simoni é Assistente social com ênfase socioambiental administradora do Blog Ideias Sustentáveis. http://drikafarah.blogspot.com.br/

9 de novembro de 2013

O LIXO E OS SEUS “RISCOS



Adriana Teixeira Simoni

Não tenho a intenção ao trazer essa reflexão aos leitores de chamar atenção para o que a maioria das pessoas já sabe ou entendem a respeito de que há no lixo uma imensidão de germes e contaminações, essas que podem causar danos à saúde humana e comprometer a higiene ambiental. Pretendo ir mais fundo tentando trazer sua atenção diária e permanente aos resíduos que produzem e a forma e responsabilidade com que os descartam.

A maioria das pessoas também demonstra pelo lixo que produz tremenda repugnância e desprezo. Muitos a ponto de ignorar o tão explorado assunto RECICLAGEM. Fato é, que devido ao desprezo e a desconsideração de que esses resíduos produzidos a cada movimento proporcionado pela vida, que são gerados por cada indivíduo desde o momento que nasce até depois de sua morte, são sim de sua total responsabilidade até chegarem aos seus destinos adequados, salvo os bebes e os impedidos por razões físicas e ou intelectuais.

Por que devemos ter responsabilidade com nosso lixo até que chegue ao seu destino mais adequado? Simples mas com necessária atitude, pois, depende de você procurar primeiro saber dias e horários da coleta dos diversos tipos de   resíduos. Quais os dias e horários da coleta de lixo urbana se há coleta de residos orgânicos separada, se a cidade conta com cooperativas de reciclagem ou catadores que recolhem reciclagem combinando a retirada semanal em seu portão.  Você também deve se interessar em saber o calendário de coleta de “cata bagulho”, de podas de jardim, entulhos de construção e geralmente cada município tem uma quantidade máxima permitida e formas de dispor frente a sua casa. Sendo assim, primeiro passo: Buscar informação nos órgãos responsáveis evitando assim problemas e multas.

Quando você deposita seu lixo para coleta urbana é de suma importância verificar o horário que a coleta passa em sua rua, pois há épocas em que surgem no bairro animais perdidos e que com fome acabam rasgando os sacos de  lixos  espalhando e sujeitando você a riscos como ter nome e documentos e até mesmo email e telefone expostos. Se houver nesse lixo vidro ou garrafas quebradas, dá a oportunidade desse lixo se voltar contra você ou um vizinho na forma de uma arma fácil e oportuna a um bandido ocasional passando no momento em que você sai de sua casa distraído. São ocorrências bobas que muitas vezes pode colocar você  e sua família em risco.   

Exemplos de riscos não faltam, bem como imprudência e despreocupação de quem administra a retirada do lixo de dentro da residência. Outro item bastante preocupante que já foi manchete de noticiários e jornais num caso de homofobia na noite da capital paulista é a possibilidade de lâmpadas fluorescentes tornarem-se armas perigosas quando colocadas na lixeira da rua ou mesmo jogadas em caçambas de entulhos. Essas lâmpadas devem ser encaminhadas a coleta de lixo especial que há nos municípios e por vezes também em lojas que vendem esses objetos propiciando a logística reversa desses materiais onde a PNRS - A Política Nacional de Resíduos Sólidos atribui responsabilidades de pós-consumo aos fabricantes, distribuidores, comerciantes e consumidores finais. 

Sabe aquele velho ditado sobre não dar margem ao azar? Pois bem, vizinhos de um bairro bastante reincidente em pequenos roubos e assaltos e assaltos a mão armada também não tiveram nenhum receio em jogar na calçada bem próximo a casa, uma escada de madeira em condições um tanto comprometidas de uso, mas ainda com boa possibilidade de favorecer  a um meliante ocasional que  ora andando pela rua despretensioso seja  despertado ao visualizar a escada  como  facilitadora e assim  cometer um ato de violação em uma residência qualquer .

Não tenho a intenção de espalhar terror, mas sim consciência de que em nossa sociedade há uma parcela doente e sem escrúpulos, mas que com interesse do Estado, possuem possibilidade de  transformação.  Sendo assim quero alertar que não se amarra mais cachorro com linguiça e logo é importante tomar cuidado com o que se coloca pra fora de casa  em forma de lixo, descarte ou entulho. 

Nem tudo é visto só como lixo. Hoje o dito “lixo” tanto pode ser de valor a um ato impensável de um meliante, assim como pode ter valor expressivo para um catador de reciclagem. Onde a reciclagem de “lixo” levada a sério é um fator essencial à sustentabilidade. Porém, hoje encontrar um lixo considerado 100 % lixo é algo tecnologicamente falando muito difícil, pois se transforma em energia querendo, mas é infelizmente raro de se ver efetivamente sendo implantado como deveria e a Política Nacional de resíduos Sólidos - Lei nº 12.305/10 institui. Aguardemos!

Colabore, diminua os riscos, proporcione renda a famílias de catadores de reciclagem, proporcione uma cidade limpa, um ambiente saudável pra você e sua comunidade. Ajuste-se a um mundo consciente da necessidade de promover um viver sustentável para as atuais e futuras gerações.


Adriana Teixeira Simoni é Assistente Social com ênfase socioambiental, administradora do Blog Ideias Sustentáveis 

8 de novembro de 2012

O PEQUENO GRANDE IMPACTO



Adriana Teixeira Simoni

Veio-me a lembrança algumas pirraças de criança, onde quando se  queria desdenhar um coleguinha (olha o bullying disfarçado) você dizia : - Ah, o que vem de baixo não me atinge! Porém se o coleguinha fosse experto logo responderia para permanecer com a última palavra na disputa de alguma rixa infantil: - Experimenta sentar num formigueiro para ver...

Enfim brincadeiras infantis são tudo de bom de recordar, porém nessa chamada inicial gostaria de salientar o quanto algo pequeno pode causar impactos imensos, o caso acima até serve de exemplo para isso por outra lógica, onde uma formiga é tão pequenininha, porém num formigueiro a situação já é outra bem diferente e perigosa, pois muitas formigas unidas causam um grande transtorno.

Voltando a pequenos que causam grandes impactos no mundo globalizado atual, o micro lixo muitas vezes excluído de projetos e compromissos é um lixo que pode causar sérios problemas pela quantidade que é descartado irresponsavelmente e pelo volume que pode atingir, além do tempo de desintegração na natureza que pode ser infinito.

O descarte de micro lixos apesar de ser fácil conscientizar isso quando feito desde criança, o que infelizmente está tão difícil reparar um pai, uma mãe repreendendo um pequeno no momento em que esse coloca a bala na boca e joga o papelzinho no chão da rua. Ora, se nos habituamos a tantas coisas como escovar os dentes, tomar banho entre outras, por que não nos habituar a jogar o lixo na lixeira?

Afinal de contas é um hábito na qual em outros países caso jogue algo ao chão poderá ser seriamente repreendido pelo cidadão ao seu lado que o fará educadamente você voltar e juntar seu lixo, pois é cultural ter o hábito de SEMPRE jogar o lixo em alguma lixeira esteja ela onde estiver. Tem-se o costume de copiar costumes de outros países como algo extremamente “UP”, logo por quê não copiar o que há de melhor: a  boa EDUCAÇÃO.

O fato é que esse micro lixos como: Bitucas de cigarros, pedaços de sacos plásticos, canudinhos de bebidas, papel de bala, de doces, goma de mascar, tampinhas de bebidas, lacres de latinhas, etc. Podem comprometer o ambiente seriamente, pois apesar de pequenos, micros em tamanho, o volume é descomunal  quando são descartados em locais como praias, praças e onde há  aglomeração de pessoas como em  shows e outros, e seu impacto torna-se uma macro problemática ambiental

A situação pode sempre ficar pior na questão do micro lixo, pois quando  descartado em local correto bastaria a coleta e envio deste lixo ao destino correto pelo serviço público de limpeza . Porém quando isso não ocorre, a catação manual acaba se tornando a única maneira de retirar isso da natureza, o que se torna praticamente inviável ao serviço público.

Sendo melhor nos habituarmos a descartar  qualquer resíduo micro ou macro em lixeiras, para garantirmos a muitas outras  gerações a possibilidade de andar descalço pelas areias da praia por exemplo. Ao chão, devemos jogar apenas sementes para garantir ao planeta a possibilidade de renovação e retribuição tornando o convívio socioambiental harmônico.

7 de abril de 2012

PRA NÃO DIZER QUE NÃO FALEI DO LIXO


Adriana Teixeira Simoni


Do caminhar e cantar da canção de Geraldo Vandré, que acabou por inspirar esse texto, intento externar numa antiga lição quando se morria pela pátria e vivia por paixão. Todavia, os tempos andaram muitas vezes na contramão das demandas e necessidades sociais desse pais . E não se pode negar que ainda que a tropeços, pouco se conquistou e muito se deixou pelo caminho.

Em épocas que a imprensa e todas as condutas eram apontadas e controladas. Quando tudo deveria exalar perfume de flores e nunca da contrariedade ou da discórdia das ideias impostas por Generais e outros;  muitos ainda corriam  perigo de serem esfolados pelos domínios preponderantes da época, pois  instigavam com voluntariedade  a mudança e a democracia que desejavam.
A liberdade de ideias adentrou a roda da diversidade nos infortúnios e na extremidade;  nas glórias, como ainda hoje, são muitos com nada e poucos com muito. A angústia apenas mudou de forma, pois  agora vivemos na angustia de não saber sobre o futuro...

A angústia tenta se disfarçar no consumo das tecnologias que são as armas usadas pelo poder para que todos fiquem inertes, felizes, imóveis.  Todavia funcionais na ciranda comercial onde pouco importa se capaz de interpretar as próprias mensagens que escreve através das mesmas tecnologias que manipulam, o que importa mesmo: é que saibam operar quando solicitado uma urna eletrônica...

Nesta angustia sobre o futuro desse país, que vislumbra o progresso, mas que, não investe nada em sua própria coletividade, apenas vive de indicativos que não falam a verdade, pois nos mostram por telescópio a situação do país , não usam a lupa necessária para ver detalhes.  Apenas  servem  para  ilustrar a vaidade dos interesses políticos.

A  sociedade, “feliz pelo consumo”, vive assustada pela falta de disciplina e pela violência instalada  no desinteresse político  na qual nem  mantém a ordem , nem tão pouco avança   na conquista do progresso.  Porém neste caso,  tenta combater  a corrupção no meio político , esse já falido de créditos,para  assim  reconquistar alguma confiança.

Enfim, as tecnologias avançam para a sobrevivência do consumo e felicidade da nação. Porém  paralelamente cresce o lixo, o resíduo inerente desse progresso individualizado de crescimento.  Todo  avanço tecnológico  também é diversificado para dar o destino correto a esses, mas o que se vê na verdade...É muito lixo pelas esquinas.

A melhor escolha para o destino final do Lixo seria  garantir preservação do ecossistema gerando  emprego e renda e  incluindo com respeito e seriedade o serviço das cooperativas de reciclagem e catadores, para assim ostentar o tripé econômico, social e ambiental da sustentabilidade no município.

Tanto o lixo como as flores podem nos silenciar. O lixo pelo seu odor quando acumulado em grades volumes e as flores pelo perfume que pode nos inebriar. Já na política, jamais devemos nos silenciar; proteste, manifeste sempre sua inconformidade, vote consciente!


Quando acreditavam nas flores vencendo canhões, acreditavam na possibilidade de mudanças. Hoje se confiarmos na riqueza que é o lixo, ganharemos a tão sonhada sustentabilidade do planeta como conquista para o futuro das próximas gerações. Por tanto, vem vamos embora que esperar não é saber, quem sabe faz a hora, não espera acontecer...



17 de março de 2012

LIXO ESPACIAL


Adriana Teixeira Simoni

Atualmente o que mais encontramos quando andamos pelas ruas é lixo. Lixos de todos os tipos, formatos e tamanhos. Às vezes é possível encontrar lixos dependurados em galhos de árvores após um temporal ou ventania, mas no geral encontramos lixos pelo chão, não difícil dentro de bueiros, isso claro, se você se prestar a esticar o olhar e observar a quantidade de lixo que se acumula dentro de bueiros, o pior e mais crítico local para acumular lixo haja vista os problemas que acarretam, mas enfim.... Falta educação, responsabilidade e atitudes, assunto para outro dia.

No entanto encontrar ou ver lixos pelas ruas jogados, amontoados ou aguardando o caminhão de coleta ou ainda o reciclador é muito comum, não obstante passa por nossa mente pensar em ver lixos voadores a nossa frente, que caem do céu efetivamente. Entretanto é possível acontecer de algo cair do espaço categoricamente aqui na terra, porém que eu ou você sejamos  atingido será uma chance em cada trilhão, mais fácil sermos atingidos por um raio.Bem eu   prefiro ficar fora dessas duas  estatísticas .

Lixos oriundos do espaço são possíveis de caírem aqui na terra sim, até porque vem crescendo o número de experiências e lançamentos de satélites a órbita espacial o que vem nos beneficiar com informações e confortos como a TV o GPS entre outros. Os foguetes ao serem lançados também sofrem acidentes o que faz com que os mesmos não tenham sucesso ao atravessar a atmosfera e acabam espatifados e espalhados em pedaços que podem atingir a terra, mas o mais comum já que a terra é formada de 70 % de água, de eles caírem no mar.

No espaço também há uma infinidade de lixos perdidos flutuando sem função alguma, são peças e detritos que se perderam de foguetes e que ficaram por lá. O perigo também está lá no espaço com esses detritos em órbita, pois podem se chocar com satélites importantes ou causar acidentes com naves tripuladas, sondas e também nas estações espaciais causando transtornos as pesquisas, já que possuem alta valoração tanto do custo financeiro quanto da dificuldade na implantação dessas estações espaciais, com perdas às vezes de vidas humanas inclusive.

É importante salientar que a curiosidade deve ser controlada caso você seja um sujeito de sorte e venha ter a sorte de ver cair a sua frente ou próximo a si  algum detrito oriundo do espaço, geralmente eles aparecem no horizonte como uma bola de fogo e ao caírem se apagam, porém continuam quentes. O fato é que não devemos nos aproximar demasiadamente, pois a possibilidade do objeto não identificado ser radioativo ou tóxico é algo a considerar. O mais indicado é que antes de nos aproximar é avisarmos autoridades para isolar a área e órgãos competentes como o INPE (instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) para que recolha esse material e faça análise.

Saiba que se cair sobre sua propriedade e danificar algo ou alguém o responsável é o País lançador de tal artefato, apesar de raro acontecimento ainda bem que há responsáveis. Que eu nunca precise deles! Prefiro ganhar a mega sena que tem  semelhantes possibilidades.

Agora é bem legal lembrar que Mogi Mirim foi alvo de um desses lixos espaciais, seria isso sinal de sorte para a cidade? Enfim o fato é que em 1988 bem no centro de Mogi Mirim  caiu sobre uma casa um artefato do tamanho de um motor de fusca não feriu ninguém mas chamou bastante a atenção dos moradores, inclusive eu mesma me  espremi para chegar o mais perto possível, mas infelizmente não haviam celulares nem maquinas digitais para registrar o evento. Consta que a NASA pagou todas as despesas do morador. Agora dificilmente veremos isso acontecer novamente, pois a chance em um trilhão já aconteceu.

Vídeos noticiando o fato:


Saiba mais sobre LIXOS EPACIAIS.

17 de dezembro de 2011

“LIXOS” PECULIARES



Adriana Teixeira Simoni

Invariavelmente tudo que não queremos mais é considerado lixo.  Porém esse algo que não nos serve que perdeu a beleza, a utilidade, a graça e que se encontra demais em nosso armário, sótão, despensa, que já enfeitou nossa casa e que agora enjoamos, não deve ser considerado necessariamente “lixo”.
Muitas pessoas sentem-se incomodadas de oferecer algo usado a outra pessoa, provavelmente porque ela mesma carrega o sentimento de desprezo por algo que não é novo, que não sai da loja embalado com etiqueta e validade. Lógico que jamais devemos esquecer que este “algo” deve estar em perfeito estado, que ainda funcione, e que apresente possibilidades de uso por outra pessoa ou família.
Esse sentimento de desprezo pelo bem usado acaba fazendo pessoas jogarem na lixeira da calçada de suas casas objetos que poderiam transformar a vida de outras pessoas. Poderiam ser o “algo” mais que falta na vida de muitos por aí.
Já tive oportunidade de ver de tudo durante minhas caminhadas pelas ruas da cidade, mas o que me chamou a atenção em 2009 numa lixeira foi um aparelho ortopédico de tração dorso/cervical ajustável para qualquer tamanho em perfeito estado. Isso prontamente me motivou a pegá-lo e encaminhá-lo a uma instituição que pudesse aproveitá-lo, mas me levou também a pensar porque aquela pessoa que o jogou na lixeira não pensou da mesma maneira? Se de fato instituições filantrópicas penam por recursos esse aparelho seria muito bem vindo, pois afinal poderia ser útil a alguém e sendo assim o receberiam com muito gosto, como o fizeram quando o entreguei para uma fisioterapeuta de uma instituição para crianças.
 Histórias com “lixo” não me faltam, tem também outra vez que encontrei uma cadeira de rodas que necessitava apenas higiene e lubrificação. Bom se o pensamento for de que o catador de reciclagens a levaria, muito bem, porém talvez a levasse para virar brinquedo do filho até acabar-se ou ser vendida como ferro velho, porém penso que ela ainda poderia merecer um final mais digno ajudando alguém temporariamente. E sendo assim, providenciei reparos com a ajuda de um amigo e encaminhei a outra instituição.
Mas tem também um dia mais especial que tem tudo a ver com a época natalina, na qual encontrei uma boneca que estava com o braço arrancado e a cabeça deslocada, porém era um bebê de feições tão perfeitas e de material tão bom que resolvi levar para casa e restaurá-la. Encontrei-a jogada numa rua de terra, molhada pela chuva e suja, o brinquedo foi desprezado por que se encontrava tecnicamente destruído. Porém, ainda vi potencial para um belo brinquedo a uma criança ávida por uma boneca e sem possibilidades de ser contemplada com semelhante.  Reparei-a com um novo corpinho de pano, higienizei, apliquei cheirinho e roupinhas de bebê, acrescentei mais alguns adereços e pronto, ficou perfeita!
Como era inicio do mês de dezembro busquei adotar  uma cartinha na Associação Comercial  de alguma criança que desejasse ganhar uma boneca de presente do Papai Noel e prontamente encontrei  uma menina que estava desejosa de ganhar um bebê que falasse. Foi realmente muito emocionante proporcionar essa surpresa a essa garotinha de oito anos, uma ótima dica para quem quiser fazer uma criança carente acreditar num sonho.
Portanto, neste final de ano haja com peculiaridade com o seu lixo e verá possibilidades de colocar em prática a sustentabilidade, pensando tanto no ambiental quanto no social, pois o que não lhe serve mais hoje pode realizar o sonho de alguém, além de contribuir com um viver mais simples capaz de proporcionar um impacto menos profundo durante a sua caminhada no planeta.

17 de setembro de 2011

LIXO EXTRAORDINÁRIO



Adriana Teixeira Simoni

Já foi feito um documentário com esse título, belíssimo por sinal, que retrata o lixo, os catadores e a possibilidades de transformar lixo em arte.
Fugindo do filme e caindo na nossa dura realidade, esse título nos remete a duas interpretações rapidamente. O extraordinário visto como fantástico, dando ao lixo o valor que ele realmente merece e pode alcançar. E a outra interpretação que o lixo seria extraordinariamente volumoso.
Hoje, nós brasileiros podemos concordar que das duas formas vimos o lixo? Infelizmente não! O lixo produzido no Brasil não tem o aproveitamento devido. Ele ainda é considerado apenas volumoso e as iniciativas para diminuir esse volume estão pífias demais, ou com efetiva despreocupação com o lixo em si.
Cada brasileiro produz em média um pouco mais de 1 kg de lixo por dia, sendo que em São Paulo esse volume  chega 1.2Kg  no Rio de Janeiro é de  1.6 kg por habitante. Essa quantidade de lixo é algo muito preocupante, pois com o consumo altamente influenciado através do  apelo publicitário diário a tendência é aumentar esse volume ano a ano. Isso só nos remete ao saturamento dos aterros sanitários e provável falta de áreas para instalação de novos aterros.
A preocupação com geração excessiva de lixo e a destinação correta deveria ser algo extremamente discutido e viabilizado iniciativas rápidas para a solução. A Política Nacional de resíduos sólidos caminha a passos de tartaruga, não por culpa deles, mas a burocracia é imensa e as verbas minúsculas.  É impressionante como ações de caráter urgente são deixadas de lado no Brasil e outros como atrativos para Jogos Olímpicos e Copas do mundo são vislumbradas como essenciais para o Brasil. Isso é passageiro, mas a produção e a não solução para o descarte correto do lixo é crescente, diária e não tem como brincar de estátua – Pare! Não fabrique mais lixo!
A questão do lixo urbano não tem sido pensada organizadamente, as medidas não estão sendo viabilizadas no mesmo crescimento populacional nem da própria geração do lixo.  Não estão sendo considerados em conjunto os diversos aspectos envolvidos desde a coleta do lixo até a destinação. Envolvendo neste caminho a reciclagem, o aproveitamento pela indústria de parte destes recursos na divisão do lixo em potencial reciclável, orgânico para aproveitamento na agricultura e demais fluidos pela indústria na geração de energia. E a arte disse é que realmente pode ser tudo isso reaproveitado.
Neste aspecto o lixo apresenta extraordinário valor e se assim fosse visto, o investimento que é inevitavelmente alto, mesmo se utilizando da tecnologia nacional que vem sendo pesquisada pelas Universidades viabilizando usinas de incineração, o retorno do investimento será garantido e rápido, pois o lixo é matéria prima gratuita quanto a produção e  ademais o seu volume é extraordinário.




8 de maio de 2011

A TODAS AS MÃES


Adriana Teixeira Simoni
Ótimo momento para uma reflexão sobre a MÃE NATUREZA também.

Neste ano de 2011 a campanha da fraternidade lançada pela Igreja Católica remeteu-nos a uma reflexão bastante profunda com relação ao planeta. Esse apóio nada mais é do que um chamado da  própria  natureza,  clamando por ajuda. Várias são as direções desse chamado  que acabam  dirigindo mais atenções  e olhares ao planeta.
É visível que  está aumentando o número de pessoas e também de cidades e  países engajados em movimentos ativos e também em chamados de reflexão como este, bastante importante da Igreja Católica, para olharmos com atenção para as ações que contribuem negativamente para o planeta,  desenvolvendo nessas pessoas engajadas revolta “boa” , revolta que transforma realidades  , revolta que tira do conforto do hábito e faz habituar-se com ações e atitudes  mais dignas e mais saudáveis promovendo assim a sustentabilidade do Planeta.

A  citação de São Paulo  "Pois sabemos que a criação inteira geme e sofre as dores de parto até o presente" (Rm 8,22), na Frase  e lema  usados nos cartazes da campanha, realmente nos envia a uma reflexão bastante real do que o planeta tem passando, ao menos às pessoas que cedem a essa  reflexão.

Tema: Fraternidade e a Vida no Planeta.
Lema "A Criação Geme em Dores de parto"

Sendo assim, voltemos nossa atenção não somente a mães geradoras  nesse mês ,  mas principalmente a MÃE NATUREZA pois sem ela não haveriam mães para serem parabenizadas pois a diversidade planetária é dependente uma da outra e uma SEM  a OUTRA não   concebe  vida.

Utilizando um texto publicado aqui no blog mesmo,  em  Junho de 2010 volto a lembrar uma analogia entre a Mãe geradora e a MÃE NATUREZA em três ocorrências comuns que exemplificam bastante nossas ações dia a dia com as duas entidades.

“O consumo consciente da água : Dentro desta problemática, podemos associar a nossa mãe de todo dia, porque da mesma forma que ela, nossa mãe, está ali, sempre pronta a nos atender, a água também , você abre a torneira e ela sai limpinha, fresquinha pronta para ser usada. Porém muitas vezes nós não pensamos nela como “mãe” no momento em que escovamos os dentes, lavamos a louça, a calçada ou ignoramos um vazamento mesmo que este esteja externo, antes do relógio medidor.
Se pensarmos nessa comparação, nossa “mãe” iria embora pelo ralo, com um custo bárbaro para seu retorno a torneira.

 O lixo produzido a cada dia : Quando- pensamos no que dar de presente a nossa mãe, seja no dia das mães, no natal, aniversário sempre queremos lhe agradar com algo belo, útil e que dure muito. Pois bem , pra nossa “MÃE NATUREZA” você também deve pensar assim. Ela também merece mesmo carinho. Ao descartarmos nosso lixo em casa podemos colaborar dando ao meio ambiente um presente, separando o lixo reciclável ,que poderá ser reutilizado, do lixo orgânico onde a natureza também se encarregará , com algum tempo , de absorver, Mãe sempre sabe tudo.

As queimadas : A poluição promovida com- queimadas é uma crescente falta de consideração geral, pois com essa irresponsabilidade se expõe não só o meio ambiente a um crime, mas todos os cidadãos do planeta. Além do aquecimento global há um considerado aumento de procura nos postos de saúde por problemas respiratórios. É uma prática arcaica, prejudicial e infame!
Com nossa querida mãe , tratamos de protegê-la de todo mal que possa atingi-la, e assim deve ser com Meio ambiente, quando ver o inicio de uma queimada , denuncie!

Vimos em muitos artigos, reclames de televisão, letras de música entre outros, a expressão “MÃE NATUREZA”, mas será que estamos dando a atenção e o valor realmente merecidos a ela?
Digo apenas, que, sem ela jamais poderíamos estar aqui, nos conscientizando de seu valor, que é tão digno quanto de nossa mãe de todo dia. “

18 de fevereiro de 2011

NOVAMENTE O LIXO NA PAUTA

Adriana Teixeira Simoni


Como pode algo tão importante, algo que  é tão impossível de NÃO ser visto, percebido que se torna  gradativamente um problema de saúde, de educação e um grande problema AMBIENTAL o LIXO , algo que além de problema tem  também potencial para ser solução para tantas outros problemas.

Um problema que engloba perigosamente tantas áreas vitais para o ser humano e ao  meio ambiente pode ser tão desprezado, ou ignorado ou ainda sempre deixado para segundo plano, sempre são protagonizados outros problemas em detrimento do lixo, ora pois, caros leitores, soluções para O LIXO se ocorressem  primeiro , muitos dos OUTROS problemas seriam menores ou senão, nem teriam se instalado em nosso meio.

Nossa Ministra do Meio ambiente Isabella Teixeira  acenou "-Lixo é o problema ambiental mais grave do Brasil" ,  demorou tal conclusão, aliás tudo demora demais nesse País, a própria Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) demorou 20 anos para ser aprovada o que aconteceu no final de 2010, ontem foi formado um Comitê Orientador de Logística Reversa para dar andamento a nova política de resÍduos sólidos  com a logÍstica reversa e a responsabilidade compartilhada, porém só isso não vai resolver.

A mudança de comportamento da sociedade será o grande desafio para essa Política, pois o povo mal educado e mal acostumado a décadas,  livre , leve e irresponsável com seus próprios resíduos se tornar um colaborador do dia pra noite, não acredito ser fácil, serão necessárias   medidas  educativas punitivas  pois se fala demais sobre a necessidade da política dos 3 erres a um bom  tempo , com alguma ajuda da midia televisiva  principalmente quando os   desastres acontecem e o LIXO  é fortemente citado como o principal causador dos acontecimentos referentes a enchentes . Ainda assim será necessário algo mais agressivo para que a sociedade se conscientize da realidade dos problemas provocados pelo descarte irresponsável do lixo e sua inanição e maneira mais contundente seria com conscientizações mais próximas e  punição.

Aguardemos então algo renovador de nossa Ministra do Meio Ambiente Isabelle Teixeira, que o seu governo implante soluções sustentáveis para nossa problemática do LIXO, em suas palavras afirmou algo que me deixou bastante satisfeita - "Falamos anos durante os direitos dos consumidores, chegou a hora de falarmos também dos deveres." - Também acredito que essa seria a saída mais sustentável para esse e outros problemas enfrentados pelo meio ambiente com a sociedade.

Saiba mais em:

15 de fevereiro de 2011

O Êxtase, a irresponsabilidade e os desastres



 Adriana Teixeira Simoni


Quando efetuamos uma compra por desejo ou por impulso logo vem o êxtase do consumo, você sente-se realizado momentaneamente com a aquisição, porém logo passa, abrindo espaço para outras experimentações, é bom ficar feliz se não aparecer nenhum sentimento de frustração caracterizando assim outros problemas.

A segunda fase do consumo é a irresponsabilidade , onde não há espaço para pensar sobre: - o porque comprei? - Para o quê na verdade eu comprei? O que eu faço com as embalagens? Onde descarto esse objeto que não funciona mais?

Hoje me deparei ao cruzar a calçada de uma agencia bancária com um rapaz na carona de um veiculo abrindo um pacote de presentes que descaradamente, amassou e jogou a embalagem pela janela do carro, praticamente aos meus pés. Já deve estar prestes a entrar na faculdade, se já não estiver...

Eu lhe pergunto leitor : - Qual o sentimento desse sujeito naquele momento? Eu diria que ele está absorvido pela êxtase da aquisição e já envolto da irresponsabilidade pois na primeira reação após a realização de seu desejo, joga a embalagem que não lhe serve e que precisa se desfazer não importando como pois, ela não lhe serve para nada mesmo.

Desta mesma forma encontramos exemplos espalhados pelas cidades em praças semi abandonadas, canteiros, calçadas, rios , córregos, barrancos , enfim..., onde podemos encontrar armários velhos, sofás, colchões , e esses objetos estão geralmente longe das residências dos antigos proprietários, para que eles não tenham mais que ver os seus lixos , seus objetos que não servem mais. CADÊ A EDUCAÇÃO?

Uma grande parcela da sociedade comete esse desatino com o LIXO, pois entende ser muito mais fácil descartar numa esquina, num lugar ermo qualquer , basta que fique longe de seus olhos.
Esse impropério ainda ocorre nos dias de hoje com a mesma freqüência com que a mesma sociedade se solidariza com catástrofes que acontecem por esse Brasil a fora e principalmente em épocas de chuva, sem falar o quanto é veiculado na televisão de que muitos desastres e enchentes são provocadas por descarte incorreto de lixos e entulhos, sem falar em desmatamentos.
Essa mesma sociedade por si só, é incapaz de se conscientizar a esse respeito e mudar seu modo de lidar com os seus lixos e com a natureza. Ela mesmo suja ela mesma sofre, seria masoquismo, burrice ou falta de educação para com o ambiente?

A sociedade é bombardeada pelo consumo desde o nascimento do capitalismo onde este apresenta um esquema arquitetado para que o consumo seja a roda da vida onde você para ser feliz tem que consumir não importando como , precisando ou não, podendo ou não .
O fato é que do consumo não tem como fugir mas tem como resolver o problema com o LIXO.

Existem muitas formas de aproveitamento do lixo e esse é um “recurso” disponível no mundo inteiro basta vontade de resolver o problema – Ah! Mas os investimentos são caros – E me diga uma coisa, sediar a Copa do Mundo também é investimento caro e no entanto...


Para que possamos mitigar e reduzir os danos causados pelo consumo é necessário um adequado tratamento e aproveitamento do lixo e demais resíduos pois, apenas 14 % da população tem serviço de coleta seletiva e além disso também é necessário que essa mesma população seja bombardeada de informações e capacitações sobre como destinar corretamente seu lixo já quando de sua entrada na escola e também para adultos através da mídia diariamente com exemplos de ações e informações.


Na minha cidade, existe um serviço de coleta de lâmpadas fluorescentes e pneus pela prefeitura, porém ninguém conhece esse serviço e joga no lixo comum e em aparas de jardim onde acabam poluindo aterros. FALTA de INFORMAÇÃO!


Portanto, a sociedade precisa ser incluída com seriedade e responsabilidade na questão dos resíduos sólidos, precisa ser amparada e preparada para ajudar efetivamente na destinação responsável do seu próprio lixo diário pois, só assim alcançaremos uma sustentabilidade eficaz, que nos libertará de desastres provocados pelo estresse da natureza oriundo de seu exaustivo uso e descaso com sua saúde.

28 de agosto de 2010

PALESTRA SOBRE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

 'Pra cada Lixo um Destino'
Um olhar responsável para nosso lixo de cada dia.


Palestra proferida  para os alunos do ensino médio e  fundamental

ESCOLA ESTADUAL SÃO JUDAS TADEU - MOGI MIRIM /SP

Principal > Eventos > 19 e 24/08/2010 - Palestra sobre tema  Preservação Ambiental   


Objetivo: Orientar e conscientizar as formas de destino adequadas e necessárias do lixo, para a preservação do meio ambiente.
 
http://www.eesaojudastadeu.com/eventos_fotos.php?evento=21&fotos=1

http://www.slideshare.net/drikafarah/para-cada-lixo-um-destino


video



                                                                 

11 de julho de 2010

AMBIENTE faz aniversário mas comemorar o quê ?




Adriana Teixeira Simoni

As convenções de datas comemorativas do Brasil impõem datas para categorias profissionais, datas religiosas, marcos de acontecimentos político/históricos, dos progenitores, dos Avós. Enfim, existem datas comemorativas para muitas coisas, inclusive a Mãe Natureza é lembrada no dia 05 de Junho, dia MUNDIAL do MEIO AMBIENTE. Porém, o meio Ambiente teria alguma coisa para celebrar? Pelo que consta, na Convenção do Clima de Copenhague não houve muito empenho e responsabilidade dos grandes poluidores em demonstrar atitudes para o controle de emissão de gases causadores do efeito estufa , que dirá pequenas providências sustentáveis dentro de nosso país.

Agora leitor, vamos tentar fazer uma simples comparação, que, se seguida com mesmo carinho e atenção, só nos trará benefícios. Vamos tratar o MEIO AMBIENTE como tratamos nossa adorada mãe de todos os dias.

Com nossa mãe, temos muito mais atenção, pensamos nela a todo instante e igualmente a solicitamos também a todo instante, porém, não temos os mesmos cuidados, o mesmo zelo, a qualquer momento ferimos nossa “MÃE” NATUREZA sem ao menos sentir qualquer constrangimento, mesmo que outros presenciem nossa agressão a ela.

Assisti  num evento  por comemoração dos dias das mães, onde o assunto MEIO AMBIENTE se encaixou perfeitamente na comemoração pelo Dia das mães  com a exposição de  diversas agressões ao meio ambiente com dados relacionados a cidade de  Mogi Mirim-SP. Entre vários assuntos expostos, de expressiva importância para com a saúde do meio ambiente vou salientar os que estão mais próximos a analogia que pretendo fazer com  “MÃES”.

 O consumo consciente da água : Dentro desta problemática, podemos associar a nossa mãe de todo dia, porque da mesma forma que ela, nossa mãe, está ali, sempre pronta a nos atender, a água também , você abre a torneira e ela sai limpinha, fresquinha pronta para ser usada. Porém muitas vezes nós não pensamos nela como “mãe” no momento em que escovamos os dentes, lavamos a louça, a calçada ou ignoramos um vazamento mesmo que este esteja externo, antes do relógio medidor.
Se pensarmos nessa comparação, nossa “mãe” iria embora pelo ralo, com um custo bárbaro para seu retorno a torneira.
 O nosso lixo produzido a cada dia : Quando pensamos no que dar de presente a nossa mãe, seja no dia das mães, no natal, aniversário sempre queremos lhe agradar com algo belo, útil e que dure muito. Pois bem , pra nossa “MÃE NATUREZA” você também deve pensar assim. Ela também merece mesmo carinho. Ao descartarmos nosso lixo em casa podemos colaborar dando ao meio ambiente um presente, separando o lixo reciclável ,que poderá ser reutilizado, do lixo orgânico onde a natureza também se encarregará , com algum tempo , de absorver, Mãe sempre sabe tudo.
 As queimadas : A poluição promovida com queimadas é uma crescente falta de consideração geral, pois com essa irresponsabilidade se expõe não só o meio ambiente a um crime, mas todos os cidadãos do planeta. Além do aquecimento global há um considerado aumento de procura nos postos de saúde por problemas respiratórios. É uma prática arcaica, prejudicial e infame!
Com nossa querida mãe , tratamos de protege-la de todo mal que possa atingi-la, e assim deve ser com Meio ambiente, quando ver o inicio de uma queimada , denuncie , ou ,como eu pessoalmente fiz uma noite dessas, percebi o inicio de uma queimada numa praça , pós limpeza da Prefeitura Municipal, sem pestanejar, desci de meu veículo procurei algo para “bater” no fogo e obtive meu intento, consegui ao menos naquela noite, dormir sem fumaça.

Vimos em muitos artigos, reclames de televisão, letras de música entre outros, a expressão “MÃE NATUREZA”, mas será que estamos dando a atenção e o valor realmente merecidos a ela?
Digo apenas, que, sem ela jamais poderíamos estar aqui, nos conscientizando de seu valor, que é tão digno quanto de nossa mãezinha de todo dia.

Vamos apresentar razões para celebrar o DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE com ações simples, mas que se cada um de nós ajudar, daremos um imenso presente de aniversário ao nosso PLANETA, e assim contribuiremos para que ele vibre vivo e saudável para comemorar junto a seus filhos.


Publicado em 05/06/2010 no Jornal o Popular 

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...