Mostrando postagens com marcador catadores. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador catadores. Mostrar todas as postagens

29 de dezembro de 2016

LEI 12.305 PNRS - E O POUCO IMPLEMENTADO



ACESSE O ARTIGO COMPLETO


Adriana Teixeira Simoni 


Quando lá em meados de 2012 pesquisei e escrevi esse trabalho, eram tantos sonhos dentro de uma LEI que poderia dar certo... Mas... O que se viu de lá pra cá , foi muito pouco dentro das possibilidades que a LEI 12.305/2010 permitiria de crescimento socioambiental.

Convido-os a leitura do artigo e comprove o que foi visto em 2011/2012 com o que hoje 2016/2017 foi realizado efetivamente.


23 de janeiro de 2014

Mensagem aos catadores por PAPA FRANCISCO


O Papa Francisco concorda que a reciclagem é bom para o meio ambiente e para os homens, em uma declaração recente em vídeo, o Papa elogia os “catadores”, ou indivíduos que procuram no lixo, material reutilizável e reciclável, e condena a mentalidade do desperdício.

“Não podemos nos dar ao luxo de olhar para baixo sobre as sobras. Nós estamos vivendo em uma cultura descartável “, disse Francisco.


Fonte: Vida Sustentável



1 de novembro de 2012

Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis




MNCR - Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis

Fundada em 2001

Missão
Luta e organização!
Descrição
O Movimento Nacional dos catadores é um movimento social que há cerca de 10 anos vem organizando os catadores e catadoras de materiais recicláveis pelo Brasil afora. Buscamos a valorização de nossa categoria de catador que é um trabalhador e tem sua importância.

Nosso objetivo é garantir o protagonismo popular de nossa classe, que é oprimida pelas estruturas do sistema social. Temos por princípio...Ver mais

Informação Geral
PRINCÍPIOS E OBJETIVOS

ARTIGO 1o
O Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis - MNCR, trabalha pela ‘auto-gestão e organização’1 dos catadores através da constituição de Bases Orgânicas, em que a ‘participação’ de todos os(as) catadores(as) que querem ajudar a construir a luta de seus direitos, seja um direito internamente garantido, mas também um dever do catador com o Base Orgâni
ca, com um critério de democracia direta2 em que todos tem voz e voto nas decisões, conforme critérios constituídos nas bases de acordo;

1 “Auto-gestão” é a prática econômica em que os trabalhadores são os donos das ferramentas equipamentos de produção. Auto-gestão é o modo de organizar o trabalho sem patrões, tendo a decisão, o planejamento e a execução sob controle dos próprios trabalhadores.

2 “Democracia direta” é forma de decisão tomada pela participação coletiva e responsável da base. Uma decisão pode ser feita por consenso ou por maioria de votos, mas sempre deve respeitar antes de tudo a exposição das idéias e o debate.


ARTIGO 2 


O MNCR tem na ‘ação direta popular’3 bem como em outras formas organização um princípio e método de trabalho, que rompe com a apatia, a indiferença e a acomodação de muitos companheiros(as), que parta desde a construção inicial dos galpões e sua manutenção, não esperando que caia tudo pronto do céu, e até as mobilizações nas grandes lutas contra a privatização do saneamento básico e do lixo, contribuindo para a preservação da natureza, mas também lutando pelo devido reconhecimento e valorização da profissão dos catadores ; 



3 “Ação direta” é um princípio e método que carrega o sentido do protagonismo do povo auto organizado, ou seja é o povo que deve fazer diretamente as transformações, com o exercício de suas próprias forças, união, organização e ação, sem viver esperando para que os outros façam por nós, que caia do céu como um milagre ou um presente, sem que nos esforcemos para isso;



A ação direta pode ser da pessoa para o grupo, do grupo para a base, da base para o movimento, e do movimento para a sociedade;




ARTIGO 3 

O MNCR busca garantir a ‘independência de classe’4 em relação aos partidos políticos, governos e empresários, mas também lutando pela gestão integrada dos resíduos sólidos com participação ativa dos catadores organizados, desde a execução da coleta seletiva com catadores de rua, até a triagem e o beneficiamento final dos materiais, buscando tecnologias viáveis que garanta o controle da cadeia produtiva, firmando com os poderes públicos contratos que nos garantam o repasse financeiro pelo serviço prestado a sociedade, e cobrando das empresas privadas, produtora industrial dos resíduos o devido pagamento pela nossa contribuição na reciclagem.



4 “A independência de Classe” é o principio histórico que orienta a luta do povo na busca pela nossa verdadeira emancipação das estruturas que nos dominam; Significa que a união do povo, nossa luta e organização, não pode ser dividida por diferenças partidárias, nem se deixar manipular ou corromper pelas ofertar que vem das classes dominantes, governos e dos ricos;



Não significa ignorar as diferenças, sabemos que elas existem e são saldáveis, porem estas, não podem ficar acima do movimento a ponto de dividido. O acordo com este princípio é o que pode contribuir para que não soframos manipulações futuras;





ARTIGO 4 

No MNCR, ao contrário do individualismo e da competição, buscamos o ‘apoio mútuo’5 entre os companheiros(as) catadores(as) , e praticando no dia a dia das lutas a ‘Solidariedade de Classe’6 com os outros movimentos sociais, sindicatos e entidades brasileiras e de outros países. E desta forma ir conquistando “o direito à cidade”, local para trabalho e moradia digna para todos, educação, saúde, alimentação, transporte e lazer, o fim dos lixões e sua transformação em aterros sanitários, más com a transferência dos catadores para galpões com estruturas dignas, com coleta seletiva que garanta a sustentação de “todas as famílias”, com creches e escolas para as crianças.



5 O “Apoio Mútuo” ou Ajuda Mútua é o principio que orienta nossa atitude para a prática que contribui para a construção da solidariedade e da cooperação, é contrario aos princípios da competição, do egoísmo, do individualismo e da ganância;



6 A “Solidariedade de Classe” é o principio histórico da união de todos os pobres. Sabemos que a sociedade que vivemos está dividida em classes: pobres e ricos, Opressores e oprimidos, os que mandam e os que obedecem. Nosso povo faz parte das classes Oprimidas, somo um setor dentro delas, porem existem vários outros setores de classes oprimidas pelo sistema capitalista, como: os sem terra, os sem teto, os índios, os negros e kilombolas, os trabalhadores assalariados, etc.... É importante compreendermos isso pois em nossa luta sozinhos, não venceremos, a verdadeira vitória só pode ocorrer com uma profunda transformação da sociedade, ou seja, onde não existam mais ricos ou pobres, opressores e oprimidos, mas sim liberdade e igualdade. Para construirmos essa nova sociedade temos que construir na luta a “solidariedade com todos os setores das classes Oprimidas”.


O catador organizado, jamais será pisado!

Pela construção do Poder Popular!

Viva o MNCR !!!

Informações de contato

21 de agosto de 2012

DÊ MAIS VALOR AO CATADOR


Hoje a sociedade imersa no consumo descartável produz uma infinidade de lixo diariamente e essa mesma sociedade que se diz possuir a última tecnologia em sua casa, carro, bolso não consegue perceber que esse lixo que ela descarta sem a menor preocupação, de qualquer jeito, em qualquer lugar, pode ser o algo mais na casa, na vida, no bolso, na carroça de muitos CATADORES DE RECICLÁGEM.

Os catadores são agentes ambientais que encontramos pelas ruas das cidades recolhendo de nosso caminho o que alguns seres da sociedade desprovidos de consciência ambiental e social deixam, desprezam jogam ou "esquecem" pelas ruas e calçadas da cidades achando que como é lixo basta colocar para fora de sua casa e longe de seus olhos. Eles não reconhecem nem percebem a necessidade de olhar e tratar do meio ambiente da mesma forma como tratam sua casa, não entendem que o planeta é a casa que temos em comum e que TODOS deveriam respeitar.
Portanto não custa nada você dedicar um tempinho e um espaço em sua casa/quintal e reservar de forma consciente o seu lixo reciclável, limpo de forma que o catador possa transformá-lo  dignamente em sustento ao mesmo tempo que livra VOCÊ do incomodo do "lixo".

Para isso também  aconteceu em Junho/2012   um dia inteirinho destinado aos catadores com " Pit stop"  em sua carroça e também no motor dessa carroça o próprio catador.  O   projeto chamado   PIMP MY CARROÇA!  desenvolvido no sentido de colocar a sociedade mais próxima desses agentes tirando-os da invisibilidade , através da produção de seu veículo de trabalho tornando-o mais presente visualmente pelas ruas da cidade   carregando também mensagens que levam a uma reflexão quando você motorista está preso no trânsito e a carroça desse agente ambiental passa por você "carregando" a sustentabilidade  do planeta.

Durante o "PIMP MY CARROÇA!" tanto os carroceiros recebem uma “tunada” quanto suas carroças, recebendo adereços e itens de segurança . Eles ganham camiseta do projeto, um lanche passam por um clínico geral e um oftalmologista , ganham óculos se necessário e também tem oportunidade de conversar com um especialista em dependência química.
 Esse encontro proporciona a todos participantes indicados  além do  destaque de suas carroças  o   conhecimento  de que a coleta seletiva implantada de forma responsável é fundamental para o sucesso da gestão dos resíduos sólidos urbanos nas cidades . É um momento onde eles  podem falar, demonstrar o quanto  possuem   de  consciência ambiental  frente a uma grande parte da sociedade que tem muito mais oportunidades na vida  mas que não é  tão conscientizada  ou interessada sobre como sua pegada está pesada e impactante ao meio ambiente.

Segue o manifesto do "Pimp MY Carroça"

"- O reconhecimento do catador como um agente fundamental na coleta seletiva municipal, colaborando para limpeza pública e conservação do meio ambiente;
- A ampliação, com urgência, do Programa de Coleta Seletiva Municipal, através da inclusão de novas organizações de catadores, estruturas adequadas para a gestão de resíduos e melhores condições de trabalho;
- A implantação imediata de ao menos uma central de triagem em cada uma das subprefeituras da cidade;
- A garantia da liberdade de circulação. O direito à cidade a todos os catadores!
- A integração de estratégias para o setor que sejam focadas em políticas de desenvolvimento humano e social para que os catadores se tornem protagonistas do planejamento e gerenciamento de seus próprios negócios;
- A contratação e remuneração justa dos catadores pelos serviços prestados, elevando a viabilidade e afastando os efeitos da sazonalidade de preços de venda, garantindo melhores níveis de renda aos trabalhadores;
- O investimento em programas de educação ambiental, que estimulem a separação na fonte e a doação dos resíduos para os catadores, engajando a população na gestão de resíduos de nossa cidade e incentivando a adoção de novas práticas de consumo e descarte.
- A participação efetiva dos catadores na elaboração do Plano Municipal de Resíduos Sólidos, assim como de toda a sociedade civil e a discussão do tema por todas as secretarias municipais cabíveis, e não só a Secretaria de Serviços."



Assista também o mini documentário sobre Pimp My Carroça!  em :   http://vimeo.com/45878176 


3 de agosto de 2012

INCIVILIDADE E O TEMPO


Adriana Teixeira Simoni

A correria das horas e dos dias movidos pelo tempo que nunca é o suficiente para todas as atividades que estamos dispostos a enfrentar num dia,  que apesar de possuir  24 horas é curto e cruel. O tempo como dizia Santo Agostinho nada mais é do que uma criatura assim como o mundo e todas as outras coisas. Sendo assim é inútil brigar com o tempo ele sempre vence apesar de ser cíclico, percorre seu percurso tranqüilamente o que acaba por  deixar alguns escravizados pela  sua tranqüilidade.

A rotina que nos atribuímos é sempre maior do que as necessidades que ela emprega, e neste caso o “Tempo” se torna algoz de muitos problemas de saúde e até ambientais. Leva-nos a exaltação e ao desânimo num piscar de olhos e é nesse exato momento que pode nos levar ao crime ou a dissolvência.

Filosofar a respeito do “tempo” não salva o planeta, mas pode nos despertar para a necessidade de olhar ao redor e perceber que nossas atitudes muitas vezes envolvidas pela ação do tempo que achamos curto ou demasiadamente moroso nos faz cometer barbaridades que não permitem voltar no tempo.

A velocidade com que pensamentos circulam em nossa mente tanto pode comprometer nossa consciência física de estar presente na ação que desenvolvemos, bem como na consciência dos fatos que envolvem a ação praticada. Sem nenhuma metáfora, na realidade estamos executando algo e ao mesmo tempo com o pensamento vago e distante decidindo o que faremos a seguir, nem bem vivemos a ação do momento e nem tão pouco efetivamente analisamos como será a  nossa atitude futura.

Num desses percursos do tempo, um carro passa por mim correndo demais, me ultrapassa com certa ira, balbucia algo (nem procuro entender ). Observo toda aquela explosão de insolência seguir a minha frente. Porém o tempo faz com que mais ali à frente nos encontremos e esse distinto motorista escravizado pelo tempo, buzina enlouquecidamente para um Catador de reciclagens. Esse trabalhador que segue pelo acostamento extremamente carregado, empurrando peso muito maior que as possibilidades que seu corpo suporta cujo tempo também lhe impõe impedimentos, se mais rápido pudesse ir com sua carrocinha com certeza mais recicláveis cataria e mais o dia lhe renderia recursos para sobreviver.

Qual seria a reação desse distinto motorista escravizado pelo tempo se ao chegar ao portão de sua casa e  encontrasse muitos recicláveis espalhados bem a frente de seu portão impedindo sua entrada rápida na garagem na qual o portão abre-se eletronicamente? Buzinaria exaustivamente?

Embora o tempo nem sempre conspire a nosso favor ele sempre vai nos orientar, e se permitirmos vai nos auxiliar ao dividi-lo entre família, trabalho, e lazer. Entretanto jamais podemos culpá-lo pelos desastres que nos envolvemos na tentativa de superar a falta de tempo. Nas imprudências no trânsito ou nas atitudes incivilizadas com terceiros, o que demonstra a falta de consciência do próprio tempo em que vivemos  e que nos faz perder ainda mais tempo.

Falando em TEMPO a Coluna Ambiente  , publicação semanal na qual assinava até  dia 04/08/2012 todos os sábados no jornal O POPULAR da cidade de Mogi Mirim-SP completou um ano com 52 encontros de leitura e reflexão.

18 de setembro de 2010

Mesmo com "LIXO" se dá bons exemplos








Adriana Teixeira Simoni
Estudande de Serviço Social com interesse socioambiental

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...