Mostrando postagens com marcador qualidade de vida. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador qualidade de vida. Mostrar todas as postagens

17 de outubro de 2010

RAPA DE ARROZ


Adriana Teixeira Simoni


Tem algo mais gostoso que ser reconhecido na rua?  Mais emocionante que apaixonar-se? Mais satisfatório que ver algo feito, inventado, escrito, desenvolvido por você sendo valorizado  por outras pessoas  ou meios ? Tem algo mais divertido que receber uma lambida de seu animal de estimação?  Há.... tem algo mais realizador que ser elogiado por seus pais quando ainda criança de alguma besteirinha , gracinha que fez? Ou ainda ser reconhecido publicamente por um  feito seu, na escola,  no trabalho ou na vida social? Existem momentos mais impactantes do que perceber que a vida é uma construção e que você muda a disposição das peças no projeto quantas vezes quiser. ? (“peças” na minha terra Rio Grande o  Sul, são os cômodos da casa) A vida é composta de várias peças e que nós temos livre arbítrio para dispô-las comodamente conforme nossos momentos requerem. (essa percepção às vezes demora) Porém  são sempre uma infinidade de momentos. Mas, ainda assim será possível  que viver  não valha a pena?
Há... eu queria ter três ou quatro vidas, todas se aproximando dos 100 anos pois assim quem sabe teria tempo de responder a tantas perguntas , e encontraria uma resposta diferente , pois na vida tudo é capaz de desenvolver sensações, e cada uma delas , mesmo que no momento “x” tenha desenvolvido sentimentos nem tão valorizados ou agradáveis, ainda assim, terá sido uma sensação que trará ao menos a tal: famosa,  a estrela ,  a  tal  “experiência”.
A experiência acumulada a cada dia de nossa vida será  sempre a nossa companhia fiel , falo da experiência adquirida com a vida, mas não essa tão requerida profissionalmente . A verdadeira  experiência é   ter sentido o cheiro de uma flor tal e reconhecê-lo ao longe, lembrar o sabor de um bolo só em pensamento  , reconhecer  o perfume de alguém que passa, a  saudade de um fazer, as emoções de uma paquera, lembrar a suavidade de uma voz num canto qualquer, de uma conversa interessante, de um olhar furtivo num desconhecido, a grata satisfação de um beijo meio roubado, a lembrança de um relacionamento jamais esquecido, o reconhecer de  um saber, o ganho na arte de seduzir, o prazer de conseguir orientar um desorientado para que esse também se encontre na vida, o sabor de conscientizar  outros sobre qualquer coisa,  são tantas experiências...
Experiências são incalculáveis são mais que lembranças apenas,  são registros jamais perdidos,  são fotografias da alma....
Há...como eu gosto da rapa de arroz que só  faz  no arroz feito pela minha mãe....

11 de julho de 2010

SUSTENTABILIDADE X QUESTÃO SOCIAL



Adriana Teixeira Simoni

Devido ao meu interesse sócio-ambiental, venho lendo tudo o que diz respeito ao ambiente, pois sobre a área social a faculdade vem me suprindo e inspirando a defender a tese de que qualidade de vida está inteiramente ligada a forma como tratamos o meio ambiente e sendo assim, todas as atitudes voltadas para a sua preservação, devem ser escaladas no time titular.

A cada artigo que leio sobre providências, pesquisas ou movimentos , pouco vejo de implicações voltadas para a área social ,principalmente se o assunto for referente a qualificar perdas . As preocupações sobre perdas são sempre voltadas para as perdas econômicas nos setores da pecuária, da indústria, da agricultura, no impacto que a falta de energia causaria, etc. Enfim, onde nessa última frase foi citada a injustiça social que todas essas questões anteriores foram as principais causadoras dessa problemática, devido ao famigerado capitalismo que conjuga apenas o verbo produzir ? Claro que em nenhum momento. Apesar de estar intrínseco que o homem é quem conduz todos esses meios, então, o problema se encontra no “como” conduzem esses meios de produção.

Estamos avançando para um futuro preocupante, pois, apesar do Brasil ter assinado em Copenhague que colaboraria com um corte de emissão de gases estufa até 2020 entre 36% a 39% , as pesquisas a que temos conhecimento, apontam para dados muito inferiores, o que nos levará em muitos prejuízos, e entre esses prejuízos é bom lembrar, em um plano bem mais valorizado, o ser humano. Por isso é necessário insistir em providências locais , pois é com pequenas ações, onde cada cidadão consciente de sua responsabilidade, colabora para uma mudança global, e assim se aplica a sustentabilidade de forma efetiva.

Esses irresponsáveis e previsíveis desastres ambientais estão sempre mais desfavoráveis a população em vulnerabilidade econômica, de diferentes regiões do nosso país, em especial atenção norte e nordeste, e que necessitam de uma atenção maior, pois somente o “Bolsa Família” entre outros benefícios de ordem financeira , não serão suficientes, é necessário um política sócio-ambiental mais consistente e coexistente entre as preocupações econômicas advindas dos meios de produção e nas injustiças sociais que a sociedade fica exposta. A elevação do clima, decorrente das emissões de gases e o desmatamento não geram somente problemas de ordem ambiental e econômica, há todo um ecossistema envolvido, onde a população é também atingida e acaba perdendo o pouco da autonomia que possuía. A questão social deve permear as pesquisas e se mostrar mais presente nas ações políticas e no desenvolvimento sustentável de nosso país, garantindo qualidade de vida e cidadania.


Publicado no Jornal O Popular em 26/05/2010

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...